O Corpo Fala Portuguese

Adoramos Ler: O CORPO FALA Pierre Wel e Roland To mpakow O©®BR Sobre os Autores: Pierre Weil: Doutor e - pdf free download
Uploaded by Weil |  Pierre; Tompakow |  Roland

88K downloads 3K Views 5MB Size

Recommend Documents

No documents

Idea Transcript


Adoramos Ler:

O CORPO FALA

Pierre Wel e Roland To mpakow

O©®BR

Sobre os Autores: Pierre Weil: Doutor em Psicologia pela Universidade de Paris, Professor na Universidade de Minas Gerais, Diretor do Cento de Psicologia Aplicada – RJ, Especialista em Psicoterapia de Grupo e Psicodrama e autor de vários livros editados em diversos países, incluindo o conhecido bestseller “Relações Humanas na Família e no Trabalho”. Roland Tompakow: Professor de Comunicações dos Cursos de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas – RJ, artista gráfico, técnico em Informática Visual, jornalista, assessor de Informática em marketing de várias Empresas e coordenador dos registros de Cinésica do grupo de Pesquisas chefiado pelo professor Pierre Weil.

Sobre a Digitalização desta Obra: Esta obra foi digitalizada para proporcionar de maneira totalmente gratuita o benefício de sua leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que necessitam de meios eletrônicos para ler. Dessa forma, a venda deste e-livro ou mesmo a sua troca por qualquer contraprestação é totalmente condenável em qualquer circunstância. A generosidade é a marca da distribuição, portanto: Distribua este livro livremente! Se você tirar algum proveito desta obra, considere seriamente a possibilidade de adquirir o original. Incentive o autor e a publicação de novas obras! “Para todos os Transparentes”

O Corpo Fala sem Palavras PELA LINGUAGEM DO CORPO, VOCÊ DIZ MUITAS COISAS AOS OUTROS. E ELES TÊM MUITAS COISAS A DIZER PARA VOCÊ. TAMBÉM NOSSO CORPO É ANTES DE TUDO UM CENTRO DE INFORMAÇÕES PARA NÓS M ESMOS. É UMA LINGUAGEM QUE NÃO MENTE, E CUJA ESTRUTURA É DEMONSTRADA NAS PÁGINAS QUE VOCÊ TEM AGORA EM SUAS MÃOS. ELAS DARÃO A VOCÊ UMA NOVA DIMENSÃO NA COMUNICAÇÃO PESSOAL. HOMEM OU MULHER, JOVEM OU MADURO, CASADO OU SOLTEIRO, QUALQUER QUE SEJA SUA PROFISSÃO OU FUNÇÃO -ESTE LIVRO FOI ESCRITO PARA TODO SER HUMANO. POIS TODO SER HUMANO TEM QUE LIDAR CONSIGO MESMO E COM OS OUTROS.

Por que este Livro é "Diferente"? Porque trata de um aspecto do comportamento humano que não pode ser transmitido satisfatoriamente por meras palavras - ainda que, depois de escritas, fossem complementadas por ilustrações em paralelo. Tentar ler o texto sem os desenhos seria como não olhar para a tela do cinema, apenas ouvindo as palavras dos artistas do filme. O enredo se perderia. E tentar olhar apenas os desenhos seria contemplar a tela com o som desligado. Juntos, formam uma unidade de comunicação intensa, clara, simples - e até divertida! Que espécie de literatura é isso? Em relação ao tema que aborda, este livro constitui um ousado avanço na fronteira da Informática moderna, aliando a técnica de trabalho em grupo à criatividade "copy-art" para obter uma obra totalmente unificada. O tema abrange a comunicação psicossomática inconsciente do próprio leitor - e por isso o fascina, diverte, desafia e esclarece ao mesmo tempo! Para tanto, foi preciso unir o psicólogo ao artista, ambos escritores e educadores. Então o conjunto (unidade-texto-arte) de cada capítulo era planejado em comum pelos dois autores, e o texto escrito por um, refundido pelo outro e então testado e reexaminado em conjunto. Este procedimento era repetido até se obter uma mensagem semântica una com os desenhos. Estes por sua vez eram também traçados e retraçados tanto pelo Pierre como pelo Roland, até a sua finalização por este último. Neste intenso trabalho de equipe, concessões mútuas tiveram de ser feitas. O artista teve de disciplinar até certo ponto o seu estilo verbal jocoso, o que nem sempre conseguiu. O cientista por sua vez teve, muito a contragosto, de arriscar o seu bom conceito junto a seus colegas. Mas como o mostra McLuhan, a velha didática " ex-cathedra" cedeu lugar à comunicação direta da realidade. Que estará diante dos olhos do leitor nas páginas a seguir.

Primeira Parte: PRINCÍPIOS CAPÍTULO 1 Convite a um Passeio Antes de mais nada, folheie um pouco este livro! — Você vai passear de balão ou de dirigível. - É mais fácil usar o alfabeto do que descobri-lo. - Você conhecerá três animais que vão fazer parte do seu vocabulário de cada dia! Alguém à sua frente cruza ou descruza os braços, muda a posição do pé esquerdo ou vira as palmas das mãos para cima. Tudo isso são gestos inconscientes e que, por isso mesmo, se relacionam com o que se passa no íntimo das pessoas. Quer saber o que significam?

Pronto? Então você pode começar a leitura. Você notou duas coisas: que há uma porção de desenhos em estilo alegre, e que o texto às vezes tem trechos em letras maiores, às vezes em menores. Isto é para que você possa se divertir de duas maneiras diferentes.

1. Se quiser, você pode apreciar o texto por alto, numa leitura de passatempo. Basta ler apenas o texto em letra maior, como acima, saltando os parágrafos como este (Verificará como, depois da última palavra em letra maior - neste exemplo, foi a palavra "passatempo" - sempre será possível continuar o fluxo das idéias, reiniciando sem pausa a leitura no trecho seguinte em letra maior). E você poderá entender as ilustrações sem se preocupar de fazer disso um estudo, enquanto nós, os autores, levaremos você a passeio por novas e fascinantes noções do comportamento humano. Mesmo lendo assim, você vai se surpreender com a quantidade de gestos que conseguirá decifrar no fim da leitura.

2. Você pode ler para aprender em vez de apenas conhecer. Então leia tudo, inclusive os trechos menores, a não ser que estes citem fatos já do seu conhecimento. E estude as ilustrações. Leia, experimentando "dirigir o balão", enquanto os autores vão girando a hélice...

Talvez você pense que essa aprendizagem um tanto aérea seja difícil ou trabalhosa. Então cabe a pergunta: VOCÊ SABE ANDAR DE BICICLETA?

No princípio, você teve (ou terá) a impressão que não é fácil transformar os seus reflexos, condicionados aos seus hábitos de pedestre, nas reações inconscientes do ciclista. Mas,

para aprender a coordenar alguns dos movimentos básicos, existe o triciclo. Nele você não tem problema de equilibrar-se.

O equilíbrio pode ser aprendido numa patinete, sem ter que aprender a pedalar. E você decerto não faz questão de ser logo ciclista acro-bático de circo; basta-lhe o prazer de saber pedalar alegremente pelo parque. Daí em diante, seu desembaraço aumentará sem você sentir, com a prática. Pois bem, absorver nossa matéria será semelhante a isso, com uma diferença importante: você não vai sentir cansaço - nem físico nem mental. O PROGRESSO SERÁ RÁPIDO Provavelmente, você vai começar a "ler" a linguagem do corpo humano mais depressa do que aquele ciclismo do parque - mesmo porque não há tombos a temer. Dependerá apenas do grau de

interesse que sentir pelo assunto.

COMO FOI QUE APRENDEMOS A LER? Houve quem aprendesse o valor das letras do alfabeto, mas não as decorou todas de uma só vez; à medida que foi conhecendo as primeiras letras, fixou o seu valor na mente por meio das curtas palavras bem simples da cartilha. Depois, não precisou mais dela. Reconheceu, de pronto, os fonemas já seus conhecidos, mas arrumados em ordem diferente nas novas palavras. Assim, sabendo que "bo" e "ca", nesta ordem, significa "bo-ca", descobriu que, trocada a posição das duas sílabas, o conjunto "ca" e "bo" significa "ca-bo". Nesta fase, já entrou o "método global" de leitura, hoje usado em toda parte. É o método seguido neste livro. Basta que as primeiras "palavras" sejam simples, e as suas "letras" poucas e claras. O significado destas primeiras "palavras" pouco importa, nem interessa se são aprendidas, por exemplo, em ordem alfabética. São, acima de tudo, mero material didático, embora constituam, decerto, uma espécie de vocabulário para o principiante. Mas, à medida que o leitor avançar na leitura, perceberá o que o corpo fala pelo mesmo "método global". DICIONÁRIO SERVE? Um "DICIONÁRIO TOTAL", ainda que fosse exeqüível, dificilmente bastaria para você aprender a "ler" as atitudes corporais. Seria como se, em vez da cartilha, usássemos uma coleção completa de todas as assinaturas em cheques existentes nos Bancos do País, e obrigássemos uma criança a aprender a ler com aquilo. Para começar, em que ordem classificar aquela montanha de riscos mais ou menos emaranhados? VAI SER MAIS FÁCIL DO QUE VOCÊ PENSA! Ainda mais difícil que esta imaginária atividade com "cheques para aprender a ler" é o pesado trabalho de pesquisa analítica da linguagem do corpo, em oposição à leve síntese didática deste livro. É o caso da obra de Ray L. Birdwhistell e colaboradores, cuja extensa pesquisa exigiu décadas de dedicação total para aflorar de leve o assunto.

Birdwhistell estima em 2.500 a 5.000 - e às vezes até 10.000 "bits" (unidades simples) - o número de sinais informativos que fluem, POR SEGUNDO, entre duas pessoas. Isto, evidentemente, inclui todas as mudanças que possam, em grau mínimo, ser discernidas por aparelhos registradores de alterações nas faixas percebidas como som, imagem, temperatura, tato, odor corporal etc. Mas não é o nosso caso, pode ficar tranqüilo. Saber o significado dos gestos e atitudes do Homem (a nova Ciência da CINÉSICA) é basicamente simples. Mas não é fácil chegar até essa base, tal a quantidade de " assinaturas" que lhe escondem o seu " alfabeto". Precisamos ir devagar. Então por que não divertirmo-nos nesta caminhada? Ela nos dará uma esplêndida oportunidade de entender melhor a todo mundo. O DESAFIO AOS TRÊS ANIMAIS A seguir vamos conhecer o significado de um símbolo antiqüíssimo que o leitor nunca mais esquecerá.

E três bichos de estimação que provavelmente vão fazer parte do nosso vocabulário para o resto da vida. Vamos desafiá-los no capítulo seguinte.

CAPÍTULO 2 Os Símbolos Símbolos, ferramentas da mente. - Um símbolo antigo dá-nos a estrutura psicossomática do homem e da linguagem do nosso corpo. Vamos conhecer o boi oferecendo-lhe um prato de bolo. - O leão que estufa e encolhe. - A águia de motocicleta. — Primeiro contacto do leitor com a evidência de um conflito entre duas ex...

Smile Life

When life gives you a hundred reasons to cry, show life that you have a thousand reasons to smile

Get in touch

© Copyright 2015 - 2020 ZDOC.TIPS - All rights reserved.